01/02/2016
"Era madrugada, sábado para domingo. Um barulho muito forte me acordou, continuei deitada até ouvi o grito da minha mãe, levantei correndo, meu pai estava deitado no chão com um homem apontando uma arma para ele, outro apontando uma para minha mãe e logo me viram, deitei no chão junto com eles.
Enquanto um ficava com a arma apontada para a gente os outros 4 vasculhavam a casa. Pegaram as 2 TV's e dinheiro, nada mais... Nada mais além da vida do meu pai. Me joguei na frente, mas já era tarde, a bala já tinha chegado. O gatilho foi apertado mais uma vez agora em direção à minha mãe, falhou. E mais uma vez em minha direção, falhou. Saíram correndo e avisaram "a gente vai voltar pra matar vocês duas!". Cai em cima do meu pai, que ainda respiram ofegante, minha mãe pegou o celular para ligar para emergência, ela já falava quando senti seu último suspiro no meu rosto. E levaram a vida do meu pai junto com os bens matérias que nunca me variam falta."

Esse depoimento é da minha melhor amiga. Foi o pai dela que morreu, foi ela que vivenciou essa cena de terror. A arma estava apontada para ela e não para mim, mas enquanto ela me contava eu tentava fingir ser forte para que ela soubesse que eu aguentava ouvir a dor dela. Mas chorei ao chegar em casa, um choro sem controle, com soluços e falta de ar.

Perdi uma melhor amiga há 3 anos, apendicite, foi uma das piores dores que já senti. Me fechei para o mundo por um bom tempo e há um ano atras uma garota muito parecida com ela apareceu e me fez voltar a viver. O nome começava com Y também (isso fazia com que ela ficasse sempre bem atras de mim na chamada), tinha as mesmas manias, os mesmos gostos e até o mesmo corte de cabelo. Tentei por muito tempo não me apegar, mas não adiantou de nada. Em pouco tempo ela era minha melhor amiga e a unica coisa que pude fazer era me entregar por inteiro de novo.

Na madrugada do dia 24/25 de Janeiro, o choque de receber a noticia de que eu poderia ter passado por tudo de novo, perder minha melhor amiga de novo foi mais forte do que minha vontade de dar força, de fingir que eu sou forte e que ela poderia se apoiar em mim como fortaleza. Desabei não só no meu quarto sozinha, mas com ela, do lado dela. E me senti bem em poder dizer para ela que amo, pude dizer para ela naquele momento tudo que não pude dizer á Yngrid, disse para Yanca. E o tudo era somente isso: "Te amo".

Sobre mim

Sobre mim
Uma comédia romântica com trilha sonora na voz de Renato Russo e Tiago Iorc, com créditos para Cícero, Phill Veras e Soulstripper. Tenho 20 anos, sou sagitariana, mas controlada. Moro na cidade luz, a da chuva da tarde, mangueiras, do açai e tacaca e só saio daqui para uma breve viagem ao redor do mundo. Fã de carteirinha de bandas que não existem mais e cantores desconhecidos. Em busca do grande sonho que é a independência e felicidade no mesmo pacote.

Marcadores

Tecnologia do Blogger.

Twitter